Fibermaq monta linha de tubos para a IHD Soluções Ambientais
em 30 dias

Equipamento tem capacidade para produzir até 1.300 m/dia
Vista parcial da linha de produção de tubos fornecida em tempo recorde para a IHD
 
        A Fibermaq, líder nacional em equipamentos para a moldagem de compósitos, poliuretano e adesivos, acaba de estabelecer um novo recorde. Em exatos 30 dias, a empresa reformou e colocou em operação uma linha de tubos de RPVC (poliéster reforçado com liner de PVC). O cliente, a catarinense IHD Soluções Ambientais, é especializada em projetos e instalações industriais.
         Usado ao longo de vários anos pela Tigre, o equipamento foi recomprado pela Fibermaq depois que a empresa deixou o negócio de RPVC. “Reformar é muitas vezes mais complicado do que partir do zero. Assim que acertamos com a IHD o fornecimento, efetuamos um completo retrofit, que consistiu na manutenção completa do painel elétrico e inclusão de uma interface homem-máquina
maior e colorida. Também substituímos todos os sensores e inserimos um painel remoto, que acompanha o operador e é muito mais amigável”, detalha Christian de Andrade, diretor da Fibermaq.

         Andrade ressalta ainda a cessão, por parte da Fibermaq, de um projeto para a secagem pneumática dos tubos. “Garante a possibilidade de trabalhar com várias barras simultaneamente, o que aumenta a capacidade de produção da linha”.
         Em média, a IHD terá potencial para produzir 1.300 m/dia de tubos – a máquina trabalha com diâmetros de 50 mm a 700 mm. Além de fornecer o equipamento e ceder a tecnologia para a construção dos acessórios, a Fibermaq indicou para a IHD uma empresa de consultoria especializada em treinamento de mão de obra, layout de planta e formulações.
         Para mais informações, acesse www.fibermaq.com.br
Braço gigante para laminadora spray-up é a novidade da Fibermaq
Acessório de 4 m é ideal para a fabricação de piscinas e barcos
         A Fibermaq desenvolveu um acessório para a fabricação de peças de grandes dimensões. Trata-se de um braço móvel de 4 m que, ao ser acoplado a laminadoras spray-up, possibilita a aspersão do material – fibra e resina – a longas distâncias.
         “É o acessório ideal para quem fabrica piscinas e cascos de embarcações, entre outras peças. Com esse braço, o laminador ganha muita mobilidade, além de não ter mais o incômodo de ficar deslocando o equipamento pela fábrica”, explica Christian de Andrade, diretor da Fibermaq.
         Com acionamento pneumático, o braço pode ser adquirido já acoplado às linhas de spray-up da Fibermaq ou em separado. “Pretendemos fornecer cerca de 40 unidades ao longo de um ano”.
 
Braço: mobilidade para os fabricantes de peças grandes


Fibermaq projeta crescimento de 20% em 2013
Primeiro semestre aquecido e dólar alto sustentam a previsão
Mirele e Christian Andrade
 
        Líder em equipamentos para a moldagem de compósitos e poliuretano (PU), a Fibermaq fechou o primeiro semestre contabilizando um crescimento de 11% nas vendas em comparação à primeira metade de 2012. A boa fase, acredita Christian Andrade, diretor, tende a permanecer até o final do ano, tanto por conta dos negócios já encaminhados quanto pela pressão que o câmbio vem exercendo sobre a concorrência que fornece máquinas importadas.
        “Esperamos terminar o ano com um resultado cerca de 20% melhor do que o obtido em 2012”, ele prevê. Laminadoras para o processo de spray-up, equipamentos para a aplicação de gelcoat, máquinas de enrolamento filamentar – fabricam tubos e postes de compósitos – e injetoras de PU adesivo são os produtos da Fibermaq mais procurados no momento.

        O cenário, contudo, poderia ser ainda melhor. Responsável por 70% das vendas da Fibermaq, o mercado de compósitos tem sofrido com a redução das margens de lucro – houve sucessivos aumentos nos custos dos insumos desde o início do ano. “Em vez de adquirir linhas novas, vários clientes estão optando por trocar as peças e aumentar a vida útil do equipamento”, observa Mirele Andrade, irmã e sócia de Christian.
Fibermaq no Facebook
         A Fibermaq aderiu ao Facebook. A rede social está sendo usada como mais uma ferramenta de interlocução com o mercado, além de plataforma para a divulgação de lançamentos e informações gerais sobre as atividades da empresa. Curta: www.facebook.com/fibermaq
 


Agenda
 
        No dia 13/11, em Porto Alegre (RS), a Fibermaq participa de um seminário promovido pela Comfibras, tradicional distribuidora de matérias-primas para o setor de compósitos. Na ocasião, Christian de Andrade, diretor da Fibermaq, vai apresentar a palestra “Manuseio e conservação de uma gelcoateadeira”. O evento também contará com as presenças de Roberto Pontifex (Polinox) e Dirceu Vazzoler (Reichhold).
       Mais informações em www.comfibras.com.br

Homenagem a José Batista de Andrade
Por Silvio de Andrade*
                Batista morreu! Ainda é difícil acreditar, parece uma brincadeira de mau gosto, mas é verdade. José Batista de Andrade morreu no dia 10/07/2013. A notícia abalou muita gente, e eu me incluo nessa gigantesca e infame lista.
                Nascido em 1951, na cidade de São Raimundo (CE), Batista chegou a São Paulo ainda criança. Aqui, aprendeu a torcer pelo nosso amado Santos Futebol Clube. Não perdia uma oportunidade de assistir aos jogos do time de Pelé no Morumbi, estádio então recém-construído e relativamente perto da sua casa.
                Cresceu e foi trabalhar como torneiro mecânico. Autodidata, logo percebeu que a função limitava demais a sua criatividade. Vivia projetando máquinas, até que decidiu fazer uma para injetar resina. Era 1976 e ele acabara de construir a primeira injetora de RTM do país. O equipamento foi adquirido pela extinta Fiberlinia para produzir caixas de correio.
                Dois anos depois, Batista fundou a Fibermaq, empresa especializada em máquinas para a moldagem de compósitos. Não demorou para que se tornasse referência em automação num setor que, à época, engatinhava em termos de tecnologia.
                Passaram-se os anos, a Fibermaq virou a maior companhia do ramo e Batista, de personalidade absolutamente gregária, começou a frequentar as reuniões da Associação de Plástico Reforçado (ASPLAR), embrião da atual Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (ALMACO), da qual era um dos diretores mais atuantes. E dos mais engraçados também – não há quem não tenha se divertido com os seus comentários antes, durante e depois das reuniões.
                Teve dois filhos, Mirele e Christian. Casou-se pela segunda vez com a Doly. Avô do Guilherme e da Catarina. Adorava velejar na represa do Guarapiranga, que fica literalmente no quintal da sua casa. Jogava bola aos sábados. Na sinuca, reclamava que eu preferia matar as bolas a ganhar o jogo. Tínhamos o mesmo sobrenome, mas não éramos parentes. Eu o considerava um segundo pai; ele me tratava como um terceiro filho.
                Batista não morreu! Ele está velejando por aí. Entre um passeio e outro, dá uma olhada no casco para conferir a quantas anda o gelcoat.

* Silvio de Andrade é diretor da SLEA Comunicação.

Estamos retomando a produção do newsletter bimestral Fibermaq em Notícia. Aqui, você encontrará as principais novidades sobre a nossa empresa. Também apresentaremos alguns projetos desenvolvidos pelos nossos clientes. Comentários e sugestões são bem-vindos e devem ser encaminhados para fibermaq@slea.com.br ou ligue para (11) 5511-9001.

SLEA Comunicação:
Silvio de Andrade
(11) 3554-0497
silvio@slea.com.br